×

Tudo sobre: Ford Mustang Shelby GT500 1967

Tudo sobre: Ford Mustang Shelby GT500 1967

O Mustang Shelby GT500 1967 é um dos carros mais lendários da história automotiva. Ele foi o resultado da parceria entre a Ford e o renomado piloto e preparador Carroll Shelby, que transformou o Mustang em um ícone de desempenho e beleza. Neste artigo, vamos conhecer um pouco mais sobre esse clássico, seus motores, suas especificações, seus preços atuais, sua presença na cultura pop e uma curiosidade única dele.

Motores

O Mustang Shelby GT500 1967 foi equipado com um motor V8 de 428 polegadas cúbicas (7 litros), chamado de Cobra Le Mans. Esse motor era uma versão modificada do motor “Police Interceptor”, usado em carros grandes da Ford. Shelby adicionou um coletor de admissão de alumínio e dois carburadores Holley de quatro corpos, aumentando a potência do motor para 355 cavalos. Esse motor era capaz de levar o carro de 0 a 100 km/h em cerca de 6 segundos e atingir uma velocidade máxima de 240 km/h.

Embora o motor de 428 polegadas cúbicas fosse o padrão do GT500, alguns exemplares foram produzidos com o motor de 427 polegadas cúbicas (7 litros). Por conseguinte, esse era o mesmo motor utilizado nos carros de corrida da Ford, como o GT40. Esse motor, além de ser mais potente e resistente, gerava 485 cavalos de potência. No entanto, é importante destacar que ele era mais caro e mais difícil de manter do que o motor de 428 polegadas cúbicas.

Motor Cobra Le Mans

Motor Cobra Le Mans de um Mustang Shelby GT500

Especificações dos motores

O carro tinha dois tipos de motor: o Cobra Le Mans 428 e o Cobra 427. Ambos eram motores V8 de 7 litros, mas tinham diferenças no diâmetro, no curso, na taxa de compressão, na potência e no torque. O Cobra Le Mans 428 tinha 104,9 mm de diâmetro, 101,1 mm de curso, uma taxa de compressão de 10,5:1, 355 cv a 5.400 rpm e torque de 59,8 kgfm a 3.200 rpm. Já o Cobra 427 tinha 107,4 mm de diâmetro, 95,8 mm de curso, uma taxa de compressão de 11,6:1, 485 cv a 6.000 rpm e torque de 66,3 kgfm a 3.700 rpm. Esses motores proporcionavam ao carro desempenho impressionante, destacando-se como um dos mais rápidos e potentes da época.

O Cobra Le Mans 428 tinha 104,9 mm de diâmetro, 101,1 mm de curso, uma taxa de compressão de 10,5:1, 355 cv a 5.400 rpm e torque de 59,8 kgfm a 3.200 rpm. Já o Cobra 427 tinha 107,4 mm de diâmetro, 95,8 mm de curso, uma taxa de compressão de 11,6:1, 485 cv a 6.000 rpm e torque de 66,3 kgfm a 3.700 rpm. Esses motores ofereciam desempenho notável, sendo alguns dos mais rápidos e potentes da época.

Preços de um Mustang Shelby GT500 1967 hoje

O Mustang Shelby GT500 1967 é um dos carros mais cobiçados e valorizados pelos colecionadores. Segundo o site ClassicCars.com, existem três exemplares à venda nos Estados Unidos, com preços que variam de 195 mil a 249 mil dólares. No Brasil, é praticamente impossível encontrar um GT500 1967 original, mas existem algumas réplicas que podem custar entre 300 mil e 500 mil reais.

Leia também: Drift: a arte de derrapar nas pistas

Presença na cultura pop

O Mustang Shelby GT500 1967 é um ícone da cultura pop, tendo aparecido em diversos filmes, séries, jogos e músicas. Um dos exemplos mais famosos é o filme “60 Segundos” (2000), no qual o protagonista Memphis Raines (Nicolas Cage) tem que roubar um GT500 1967 apelidado de Eleanor. Outros filmes que contam com o GT500 1967 são “Os Gatões” (2005), “Eu Sou a Lenda” (2007) e “Need for Speed” (2014).

<yoastmark class=

O GT500 1967 também marcou presença em séries como “Supernatural”, “Arquivo X” e “Smallville”, e em jogos como “Gran Turismo”, “Forza Motorsport” e “Need for Speed”. Além disso, músicas de artistas como Wilson Pickett, Kid Rock e Sheryl Crow citaram o carro.

Uma curiosidade única dele

Uma curiosidade única desse Mustang é que ele foi o primeiro carro a ter um sistema de freios a disco nas quatro rodas como opcional. Esse sistema era mais eficiente e seguro do que os freios a tambor, que eram comuns na época. O GT500 1967 também tinha outros opcionais, como ar-condicionado, direção hidráulica, câmbio automático e rádio AM/FM.

2 comments

Post Comment